Google+ Followers

sábado, 26 de janeiro de 2013

Million Dollar Baby

Hey-oh!

Ontem à noite vi um filme que recomendo a toda a gente. É triste. Apesar de ter a temida ''bolinha vermelha'' não há problema quanto a isso! Vou deixar aí umas coisitas sobre ele:


Million Dollar Baby - Sonhos Vencidos



FICHA TÉCNICA:


SINOPSE

Frankie Dunn (Clint Eastwood), sempre treinou e geriu as carreiras dos melhores boxeurs e passou a vida no ringue de boxe. A mais importante de todas as lições que ensina a quem treina, é aquela que aplica na sua vida: "protege-te a ti mesmo!". A certa surge surge no ginásio de Frankie Maggie Fitzgerald (Hilary Swank). que sempre teve pouco da vida, mas que ao contrário de muitos, sabe bem o que quer e tem a determinação necessária para o alcançar. O ambos não sabem é que terão de enfrentar um desafio que irá exigir mais coragem e alma do que podem imaginar...

Críticas: Que dizer de um filme em que não nos apercebemos da passagem do tempo quando o vemos? Que escrever sobre um filme em que saímos incomodados da sala de cinema, com a sensação que vimos um grande momento de cinema e uma lição de vida? De que modo podemos exprimir o inexprimível? Million Dolar Baby, o campeão dos Óscares 2005, é um filme raro no panorama actual do cinema mundial. É quase tão perfeito que nem dá para acreditar...

Uma história simples...
A história de Million Dollar Baby pode-se resumir em poucas linhas. Maggie Fitzgerald (Hillary Swank) é uma mulher de trinta e um anos que procura um treinador que a ajude a cumprir o seu sonho de infância: ser pugilista profissional. Já quase fora de idade para se tornar profissional, procura convencer Frankie Dunn (Clint Eastwood), um velho treinador de pugilistas, a fazer dela uma campeã. Influenciado pelo seu amigo Scrap (Morgan Freeman), um velho pugilista, Frankie aceita treiná-la. A relação entre ambos, que começa por ser de desconfiança, torna-se cada vez mais próxima. De combate em combate, o treinador vai descobrindo a enorme força de vontade da sua pupila. E esta, vai descobrindo que, por baixo da dureza de Frankie, existe um homem magoado com a vida.

...mas tão complexa ao mesmo tempo
Mas não é por esta pequena história, que se inspirou em pequenos contos publicados em jornais nova-iorquinos, que se faz a grandeza do filme. Os combates de boxe são o menos nesta maravilha de Clint Eastwood. A grandeza do filme está no que não se vê mas se pressente. Inspirado na temática de John Ford (os filmes para além do visível The searchers, a trilogia de cavalaria, etc.), Eastwood mostra que existe um passado que atormenta a sua personagem (um pouco como o John Wayne - Ethan Edwards de The searchers). É a sua diária presença na missa, desde há 23 anos, que levam o padre a blasfemar. São as cartas dirigidas à filha, as quais descobrimos mais tarde que são sempre reenviadas ao remetente, e se contam já às centenas numa velha caixa de sapatos. Um passado desconhecido molda o modo de ser deste homem. Apercebemo-nos que algo perdeu num tempo que já lá vai. A família, certamente. Mas porquê e como? Não o saberemos. Mas essa é uma questão essencial no desenrolar do filme.

Obrigada aos poucos que tiveram paciência para ler!  Beijos, and remember that the second day is always better than the first...

Sem comentários:

Enviar um comentário